Daniel Duende é escritor, brasiliense, e tradutor (talvez nesta ordem). Sofre de um grave vício em video-games do qual nunca quis se tratar, mas nas horas vagas de sobriedade tenta descobrir o que é ser um blogueiro. Outras de suas paixões são os jogos de interpretação e sua desorganizada coleção de quadrinhos. Vez por outra tira também umas fotografias, mas nunca gosta muito do resultado.

Duende é atualmente o Coordenador do Global Voices em Português, site responsável pela tradução do conteúdo do observatório blogosférico Global Voices Online, e vez por outra colabora com o Overmundo. Mantém atualmente dois blogues, o Novo Alriada Express e O Caderno do Cluracão, e alterna-se em gostar ora mais de um, ora mais de outro, mas ambos são filhos queridos. Tem também uma conta no flickr, um fotolog e uma gata branca que acredita que ele também seja um gato.

quinta-feira, 10 de maio de 2007

A publicidade e a realidade nos fast-foods

Este site norte-americano está realizando um projeto interessante: comparar as fotografias publicitárias dos alimentos servidos por várias cadeias de fast-food norte-americanas com o alimento(!?) efetivamente servido por elas. Quem já comeu um Big Mac no McDonald's ou um Whopper no Burguer King sabe da pequena diferença observável entre a fotografia bonita em cima do balcão e a realidade em cima da bandeja.

Vamos a algumas fotos:


























Para ver o resto das fotos, ou estas mesmas em seu tamanho original (segundo o editor, o site está sempre sendo atualizado), clique aqui para visitar o site.

Para ser sincero, mesmo estas coisas amassadas e disformes me deram fome.
Deve ser porque já é hora do jantar, ou eu não sou mesmo muito exigente com a aparência da minha comida.

A dica foi da Lu, do blogue Dia de Folga.


MEMEZANDO:
Que tal fazermos o mesmo aqui no Brasil? Fotografar a foto publicitária de alguns de nossos fast-foods (ou mesmo as fotos dos pratos nos cardápios de restaurantes) e, depois, fotografar o prato servido? É um meme moderadamente trabalhoso, mas vale a pena. Quem se anima?

6 comentários:

Lu disse...

Acho ótima a idéia e vou colocá-la em prática da próxima vez que for a um fast-food. As fotos originais devem estar disponíveis na internet, isso já diminui bem o trabalho.

Daniel Duende disse...

Sim.... eu vou botar essa idéia em prática também. Dá um aviso por aqui se for fazer algum post a respeito (para que eu possa colocar um link para ele neste post)

Abraços do Verde.

b.m. disse...

Olha, muito mais útil do que esse site é o documentário Supersizeme, do homem que quase tem um colapso porque passou um mês comendo só no Macdonald's. Mas os dois são só exagero. Os sanduíches são mais feios e menores, mas não destrenbuchados como esses aí. E, se me lembro bem, no site diz que eles foram levados para casa e aí fotografados. Já é interferência demais no processo. E se as fotos fossem feitas na hora da entrega? E se eu abrisse os pacotes que não foram vendidos ainda? Estarão assim?

Daniel Duende disse...

Entendo e vejo virtude em seu ponto, meu velho. Acho que suas perguntas são também muito boas.

Que tal fotografar uns sanduíches na hora da entrega ou, melhor ainda, fotografá-los a ainda à espera de serem vendidos, para constatar a semelhança ou diferença deles em relação à propaganda.

Este seria também um bom Meme, não? :)

Abraços do Verde.

Daniel disse...

eu sempre tive vontade de processar um McDonald's pois eu entendo como propaganda enganosa. no mínimo deveria ter uma observação visível na foto: "esta foto não retrata o produto que vendemos" :)

Daniel Duende disse...

Concordo com você a respeito da propaganda enganosa, meu caro xará. E ainda digo mais, acredito que este "engodo" perpetrado pelo McDonald's e outras "cadeias alimentares" (rsrsrs, adorei o trocadilho) seja um daqueles pequenos ou grandes crimes aos quais as pessoas aprenderam a perdoar e relevar por respeito excessivo ao seu perpetrador.

Alguém já experimentou processar uma cadeia dessas por propaganda enganosa? Acho que as pessoas acabariam por rir. É tão "óbvio" que estes caras nos enganam, que é até ridículo que alguém reclame. Quem é o ridículo, no fim das contas? Acho que é o enganado que se resigna... como a grande maioria de nós.

Será que nos falta esperteza ou se nos rareia o senso de realidade? :)

Abraços do Verde.