Daniel Duende é escritor, brasiliense, e tradutor (talvez nesta ordem). Sofre de um grave vício em video-games do qual nunca quis se tratar, mas nas horas vagas de sobriedade tenta descobrir o que é ser um blogueiro. Outras de suas paixões são os jogos de interpretação e sua desorganizada coleção de quadrinhos. Vez por outra tira também umas fotografias, mas nunca gosta muito do resultado.

Duende é atualmente o Coordenador do Global Voices em Português, site responsável pela tradução do conteúdo do observatório blogosférico Global Voices Online, e vez por outra colabora com o Overmundo. Mantém atualmente dois blogues, o Novo Alriada Express e O Caderno do Cluracão, e alterna-se em gostar ora mais de um, ora mais de outro, mas ambos são filhos queridos. Tem também uma conta no flickr, um fotolog e uma gata branca que acredita que ele também seja um gato.

terça-feira, 3 de abril de 2007

vivendo perigosamente em meio ao apagão aéreo

A pouco mais de 12 horas da provável partida do meu vôo para São Paulo (de onde farei conexão para Brasília), me vejo rodando a rede em busca de sinais para ficar otimista sobre o que me espera no dia de amanhã. Ai que saudades dos tempos em que eu lia horóscopos, e não blogs e jornais, para saber se o meu dia de amanhã vai ser um inferno...

Mesmo com a capitulação do Governo, que levou os controladores de vôo paralizados a não apenas escapar da prisão como também ficarem sem chefe (não é ótimo?), parece que ainda vem chumbo grosso pelos ares. Tem gente falando de uma nova greve, desta vez dos controladores civis, que pode estourar a qualquer momento caso as negociações fiquem azedas. Isso é tudo que eu não queria ter que enfrentar amanhã. Sei que a vida dos controladores de vôo não está fácil -- pelo contrário, sei que eles trabalham em condições absurdas de estresse, precariedade e má remuneração -- mas não é muito fácil ser tão socialmente razoável quando é a sua bunda que vai ficar sentada no aeroporto esperando o seu vôo eventualmente decolar.

Há quem diga que a culpa é do governo. Sempre há quem diga que a culpa e do governo, afinal. Mas, quando é que a culpa de algo que acontece em um país não será do governo? Resta saber o que é "o governo" e o que as pessoas que culpam "o governo" acham, afinal, que "o governo" poderia estar fazendo. Eu sei que todo brasileiro sabe da melhor escalação para a seleção brasileira, e que todo Tucano ou "Democrata" (que é como as raposas do PFL se chamam agora) sabe perfeitamente como governar o Brasil quando não está governando. Agora, ficam as duas perguntas:

O que o governo, que para viariar é culpado de tudo, deveria fazer agora?

Será que eu chego em Brasília amanhã a tempo de pegar algum bar aberto?

Respondam-me estas perguntas que amanhã, se eu chegar vivo e em Brasília (pois posso acabar chegando vivo, mas não lá), eu dou uma olhada e conto como foram minhas aventuras.


Em tempo. Para quem quer ficar a par de tudo que está rolando, basta dar uma olhadinha na matéria mais recente do Zé Mura para o Global Voices Online. Eu eventualmente me esqueço (mau Duende, mau Duende) que meu irmão faz a melhor cobertura da blogosfera brasileira...


p.s. se rolar outro golpe militar, eu TRUCO!

Um comentário:

It doesn't matter. disse...

confesso: se eu fosse viajar nesta semana santa eu ia estar mto puta e iria de carro.
Mas como isso n vai acontecer, e de 100% das pessoas que vem ao quadradinho neste final de semana, vc é uma das duas que eu realmente gostaria de encontrar, estou adorando esta greve.
egoísmo né?
vc bem que poderia se teletransportar para cá =)
assim, a greve poderia continuar e eu ia ficar tão feliz
bj moço
avisa qdo chegar!