Daniel Duende é escritor, brasiliense, e tradutor (talvez nesta ordem). Sofre de um grave vício em video-games do qual nunca quis se tratar, mas nas horas vagas de sobriedade tenta descobrir o que é ser um blogueiro. Outras de suas paixões são os jogos de interpretação e sua desorganizada coleção de quadrinhos. Vez por outra tira também umas fotografias, mas nunca gosta muito do resultado.

Duende é atualmente o Coordenador do Global Voices em Português, site responsável pela tradução do conteúdo do observatório blogosférico Global Voices Online, e vez por outra colabora com o Overmundo. Mantém atualmente dois blogues, o Novo Alriada Express e O Caderno do Cluracão, e alterna-se em gostar ora mais de um, ora mais de outro, mas ambos são filhos queridos. Tem também uma conta no flickr, um fotolog e uma gata branca que acredita que ele também seja um gato.

sexta-feira, 20 de abril de 2007

Love over gold: blogando por paixão, dinheiro, fama ou um pouco de tudo.

"(...)You've thrown your love to all the strangers
And caution to the wind

I takes love over gold
And mind over matter
To do what you do that you must
When the things that you hold
Can fall and be shattered
Or run through your fingers like dust"
Pego emprestado o título e um pedaço da letra desta ótima música do excelente quarto álbum homônimo do Dire Straits para voltar a um assunto que, ao que parece, está cada vez mais na moda: blogs, paixão e dinheiro.

Nestes últimos dias, além do post do Murilão sobre os 10 anos da blogosfera, publicado no Global Voices Online, que passa pelo assunto dos blogueiros remunerados e dos motivos para se blogar, há também vários outros colegas que voltaram (ou nunca saíram) do assunto:

O André, do blogue Marmota, comenta os resultados de algumas conversas sobre o tema (e do meme "Blog, escrever por paixão ou por dinheiro?" de Bruno Godoi), apontando que o motivo principal dos blogueiros brazucas para blogar é a paixão (o que não exclui a possibilidade de que o dinheiro e tudo mais sejam motivos secundários), em sua blogada "Escrever blogs por paixão ou por dinheiro?". O próprio André já havia dado outras pinceladas sobre o assunto a uns meses atrás em seu post "Blog-moleque e post-arte não ganha campeonato?", que inclusive me levou a entrar no papo com meu notório (e, err... peculiar) post "Que papo é esse de 'blogueiro profissional'?" (que me enfiou no meio de uma discussão que foi, no mínimo, cansativa -- pois eu não sabia ainda muito bem o que dizer a respeito).

Por outro lado o Ian Black, o mano véio do blogue Enloucrescendo, assume que está na parada pela grana, mas que não se corrompe. Ian faz uma exposição legal de seus motivos -- satisfatoriamente sonhadora (pois eu gosto de sonhadores) sem perder a objetividade -- em seu post "Ian Black, Profissão: Blogueiro". Neste mesmo post Ian se coloca a favor da idéia de que fazer dinheiro blogando não é ruim -- é um trabalho honrado como qualquer outro, só que particularmente bacana -- e que o problema não está na remuneração ao blogueiro e sim na sua forma de encarar o blogar, e a grana. O Ian é um coraçãozudo no mínimo sensato. :)

Já o Donizetti, do blogue Hedonismos, faz seu contraponto se colocando contrário à profissionalização (em um posicionamento com o qual concordo um bocado) embora concorde que pode ser justo e bom receber uma remuneração pelo trabalho que se faz com prazer. Para ele, o prazer de fazer é fundamental e a "profissionalização" pode ser bastante prejudicial à atividade blogueira, não apenas em sua isenção mas também em sua ludicidade. Donizetti defende a necessidade de se encontrar um meio termo entre a seriedade do profissional e o prazer do blogueiro, fazendo uma distinção entre "ganhar para escrever" e "escrever para ganhar". Coisas de blogueiros hedonistas, como nós...
Por sinal, o mesmo colega Donizetti fez um outro post no qual fala justamente sobre seu jeito hedonista de blogar.

O papo segue e vai longe, nestes e em vários outros blogs. Este post se presta apenas a chamar a atenção de quem ainda não se tocou da conversa, e pra marcar algumas idéias que estão sendo colocadas.
Quem tiver algo a dizer, que se manifeste. Por hora, diferente do que fiz na primeira "onda" da discussão, vou apenas observar.
O único ponto fundamental para mim em toda a história, e que parece ser ponto concordante entre todos os blogueiros bacanas que leio, é que não só o blogar, mas todas as coisas que fazemos na vida, não podem nunca ser despidos do prazer e da arte do fazer.

Não interessa se há dinheiro envolvido ou não, há de se viver com arte.

6 comentários:

Donizetti disse...

Boa a sua leitura sobre o que eu escrevi, e sua frase final resume tudo, essa é que é a grande verdade!

Clara disse...

Concordo com vc, duende. Como tudo que realmente interessa na vida, blogar deve ser feito por causa do tesão, vontade de fazer a coisa, mas se o dinheiro vier, que venha! é lucro. Tira mesmo, um pouco da ludicidade da coisa, mas o único jeito realmente bom de se ganhar dinheiro é fazendo o que gosta, então se quiserem te pagar para blogar, vai fundo!
Eu acho que inclusive, pela qualidade e variedade do que escreve, e pela tenacidade de ter pelo menos 2 blogues em constante atualização por tantos anos vc devia virar profissional... Ser blogueiro tem tudo a ver com você, verdinho.

Jose Murilo disse...

olá brother,
talvez a saída para esta charada esteja no discurso do giuseppe (cocco), que chega à conclusão de que 'a condição de se construir o espaço comum onde a vida não seja capturada é a remuneração da própria vida enquanto tal'. ou seja, uma 'bolsa' para se viver.
ainda estou tentando escrever o meu post sobre 'meme'... uma hora sai. bom post!
hugs.

Paulo disse...

Hey, copoanheiro. Eu já havia falado sobre isso há algum tempo:
http://www.alfarrabio.org/index.php?itemid=2474
:-)

Daniel Duende disse...

Vamos aos comentários, então. :)

Para começar, sou eu que agradeço ao Donizetti pelos excelentes posts. Ainda pretendo escrever alguma coisa a respeito (pois eu sempre pretendo fazer muitas coisas), mas já dou minha posição por defendida pelo caro cara Donizetti. :)

Concordo também com a Clara...
A gente faz o que pode, né? Como dizia um outro querido amigo meu, eu sou do tipo que "vive do comércio barato de poemas de amor...". Agora só falta viver disso, heehheh :D

Acima de tudo, eu não poderia concordar MAIS do que já concordo com as palavras do Giuseppe Cocco, ecoadas pelo meu querido Zé Murilo. A remuneração da vida, em sua variedade e criatividade, é a melhor estratégia para se preservar (e possibilitar) a inquantificável e sutil maravilha criativa (e existencial) humana. Sou candidato de primeiro momento a um projeto piloto da "bolsa para vida", esse tal mecenato de humanidades! :D

E, last but not least, meu caro copoanheiro Bicarato... este é um assunto que já rendeu um bocado e ainda vai render muito mais. Para quem não viu no texto, há uma outra blogada minha sobre o assunto neste endereço aqui:
http://cadernodocluracao.blogspot.com/2007/02/que-papo-esse-de-blogueiro-profissional.html

Abraços apertados do Verde a todos...

Daniel Duende disse...

para facilitar o acesso:

a blogada em questão tá aqui.